Gravidez.com © 2018
Privacidade

Experiências

+ Enviar Experiência
A mulher mais feliz após descobrir a gravidez,mesmo não sendo o tempo certo.

Gabriely contou sua experiência há mais de 5 anos

Gravidas aos 17

Bom, ao desconfiar da gravidez fiquei com medo, o pior momento foi contar a minha mãe, ela não queria acreditar nisso, pois apostava tudo em mim, e achava que estar gravida acabaria com a minha vida,mas felizmente ela viu que talvez essa criança tenha um propósito para estar na minha vida, me sinto mais adulta. as pessoas me crititicam, o que é fácil não é ?! todos adoram criticar, estou terminando um curso técnico e quando falei da gravidez, me disseram que isso atrapalharia minha carreira profissional, certo vou abrir mao de muitas coisas, mas isso não quer dizer que vou ficar sem trabalho por muito tempo, pessoas que pensam que uma gravidez acaba com a vida, certamente quando tiverem um filho vão ser dependentes de marido ou pais após o nascimento da criança. ao contrário do que dizem, essa gravidez só veio para me ajudar, tenho mais força de vontade, tudo o que faço é pensando no meu filho (a) e isso me faz ter mais e mais vontade de fazer tudo certo.

Thumb_6f928564-c195-4b17-94bd-bf396fa4678f
Larissa Nery - Meus parabéns a você ! também vou ser mãe aos 17 anos , e não acho nenhuma vergonha ,pois vergonha seria se agente tivesse cometido um aborto . . .que e crime . minha historia e diferente , minha mãe me rejeitou muito no inicio .. porque eu namorava ainda , mais já iamos para 4 anos junto , quando algo terrivél aconteceu na minha vida ! , perdi meu namorado num acidente de carro ! , mais ele me deixou essa benção chamado Arthur ,,, que com certeza Deus enviou para mim ter vontade de viver novamente ! " .
Thumb_6f928564-c195-4b17-94bd-bf396fa4678f
Larissa Nery Espero que você seja muito Feliz e não deixa se abalar por criticas e idiotices de gentinha com cabeça fechada ! Beijoos e boa sorte flor . tenha fé !'.

uma pessoa querida e calma

Milka Santos contou sua experiência há mais de 5 anos

Dor nas costa

Olá mamães passando para deixar uma dica otima sabe aquela dorzinha chata que da bem embaixo nas costa então para acabar cm ela deite de lado e coloque um travesseiro entre as pernas para dormi no dia seguinte acorda sem dor alguma bem bom o resultado comigo funcionou.


Sou muito grata ao meu Deus por tudo que tem feito em minha vida!

Janycléia contou sua experiência há mais de 5 anos

Brincadeira peça uma foto

Meninas, vi está brincadeira em outro grupo e achei muito legal. E resolvi copiar para nós mamães online nos distrair e descontrair um pouco A brincadeira é assim: eu peço uma foto aí a mamãe que for responder deve postar a foto de acordo com a que está sendo solicitada e junto faz o seu pedido. Exemplo: eu quero a primeira foto de quando soube que estava grávida. Vamos passar o tempo nos divertindo!


Isabela, 22 anos. Menina, mulher e agora mãe. Simples, meiga, carinhosa e muito sincera.

Isabela Souza contou sua experiência há mais de 5 anos

Ser mãe...

A missão de ser mãe quase sempre começa com alguns meses de muito enjoos, seguido por anseios incontroláveis por comidas estranhas, aumento de peso, dores na coluna, o aprimoramento da arte de arrumar travesseiros preenchendo espaços entre o volume da barriga e o resto da cama. ser mãe é não esquecer a emoção do primeiro movimento do bebezinho dentro da barriga. o instante maravilhoso em que ele se materializou ante os seus olhos, a boquinha sugando o leite, com vontade, e o primeiro sorriso de reconhecimento. ser mãe é ficar noites sem dormir, é sofrer com as cólicas do bebê e se angustiar com os choros inexplicáveis: será dor de ouvido, fralda molhada, fome, desejo de colo? É a inquietação com os resfriados, pânico com a ameaça de pneumonia, coração partido com a tristeza causada pela morte do bichinho de estimação do pequerrucho. ser mãe é ajudar o filho a largar a chupeta e a mamadeira. É levá-lo para a escola e segurar suas mãos na hora da vacina. ser mãe é se deslumbrar em ver o filho se revelando em suas características únicas, é observar suas descobertas. sentir sua mãozinha procurando a proteção da sua, o corpinho se aconchegando debaixo dos cobertores. É assistir aos avanços, sorrir com as vitórias e ampará-lo nas pequenas derrotas. É ouvir as confidências. ser mãe é ler sobre uma tragédia no jornal e se perguntar: e se tivesse sido meu filho? e ante fotos de crianças famintas, se perguntar se pode haver dor maior do que ver um filho morrer de fome. ser mãe é descobrir que se pode amar ainda mais um homem ao vê-lo passar talco, cuidadosamente, no bebê ou ao observá-lo sentado no chão, brincando com o filho. É se apaixonar de novo pelo marido, mas por razões que antes de ser mãe consideraria muito pouco românticas. É sentir-se invadir de felicidade ante o milagre que é uma criança dando seus primeiros passos, conseguindo expressar toscamente em palavras seus sentimentos, juntando as letras numa frase. ser mãe é se inundar de alegria ao ouvir uma gargalhadinha gostosa, ao ver o filho acertando a bola no gol ou mergulhando corajosamente do trampolim mais alto. ser mãe é descobrir que, por mais sofisticada que se possa ser, por mais elegante, um grito aflito de mamãe a faz derrubar o suflê ou o cristal mais fino, sem a menor hesitação. ser mãe é descobrir que sua vida tem menos valor depois que chega o bebê. que se deseja sacrificar a vida para poupar a do filho, mas ao mesmo tempo deseja viver mais – não para realizar os seus sonhos, mas para ver a criança realizar os dela. É ouvir o filho falar da primeira namorada, da primeira decepção e quase morrer de apreensão na primeira vez que ele se aventurar ao volante de um carro. É ficar acordada de noite, imaginando mil coisas, até ouvir o barulho da chave na fechadura da porta e os passos do jovem, ecoando portas adentro do lar. finalmente, é se inundar de gratidão por tudo que se recebe e se aprende com o filho, pelo crescimento que ele proporciona, pela alegria profunda que ele dá. ser mãe é aguardar o momento de ser avó, para renovar as etapas da emoção, numa dimensão diferente de doçura e entendimento. É estreitar nos braços o filho do filho e descobrir no rostinho minúsculo, os traços maravilhosos do bem mais precioso que lhe foi confiado ao coração: um espírito imortal vestido nas carnes de seu filho. a maternidade é uma dádiva. ajudar um pequenino a desenvolver-se e a descobrir-se, tornando-se um adulto digno, é responsabilidade que deus confere ao coração da mulher que se transforma em mãe. e toda mulher que se permite ser mãe, da sua ou da carne alheia, descobre que o filho que depende do seu amor e da segurança que ela transmite, é o melhor presente que deus lhe deu.